DEV Community 👩‍💻👨‍💻

Cover image for Elixir - Conceitos Iniciais
Igor Giamoniano for Trybe

Posted on

Elixir - Conceitos Iniciais

Intro

No último artigo, ensinei a configurar a máquina para começarmos a usar o Elixir, agora falaremos um pouco sobre a linguagem.

Elixir x Erlang

Você deve ter notado no último artigo, que tivemos que instalar o Elixir e o Erlang, mas o que é Erlang?
Obama

O Erlang é uma linguagem de programação criada muitos anos antes do Elixir para solucionar demandas relacionadas a rede de telefonia, é uma linguagem muito poderosa porem com uma sintaxe bastante complexa e é aí que entra o Elixir.

O Elixir traz uma sintaxe mais amigável porem sua estrutura é idêntica a do Erlang sendo assim nosso código pode ser escrito em Elixir e depois transpilado para Erlang e por último compilado pela BEAM.

BEAM?

BEAM é um acrônimo para "Bogdan/Björn's Erlang Abstract Machine” (Sendo Bogdan e Björn's o nome original dos criadores) e é simplesmente o nome da Virtual Machine (VM) como a Java Virtual Machine (JVM) para quem conhece Java.

Agora que já falamos bastante, vamos pro código!


Iniciando um Projeto com Mix

Acredito que a melhor forma de se aprender uma linguagem de programação é criando um projeto, então por mais que leiamos a documentação ou vejamos vários vídeos tutoriais, o aprendizado só é consolidado quando realmente aplicamos a linguagem.

Então vamos aplicar alguns conceitos de Elixir, na prática, para isso iniciaremos um projeto com o Mix!

Mix o quê?

Mix it up

Chegamos naquele momento em que parece que o sentido foi deixado para trás, acreditem isso é muito comum principalmente se você veio de outra linguagem de programação e está aprendendo Elixir agora, mas calma que as coisas vão começar a se encaixar.

Mix é uma ferramenta de linha de comando que integra o ecossistema Elixir e a utilizamos para gerenciar uma porção de coisas diferentes no nosso código (ex: Gerar e compilar projetos, rodar ‘Tasks’, gerenciar dependências).

Portanto, iniciaremos um projeto usando Mix!

No seu terminal digite o seguinte comando:

mix new basics
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Você vera algo parecido com isso:

~/projetos 
❯ mix new basics
* creating README.md
* creating .formatter.exs
* creating .gitignore
* creating mix.exs
* creating lib
* creating lib/basics.ex
* creating test
* creating test/test_helper.exs
* creating test/basics_test.exs

Your Mix project was created successfully.
You can use "mix" to compile it, test it, and more:

    cd basics
    mix test

Run "mix help" for more commands.
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Perceba que ele pede para você entrar no diretório criado para começar, vamos lá:

cd basics
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Módulos e Funções

A primeira coisa que devemos notar é como as funções se comportam, como falamos lá atrás o Elixir usa o paradigma funcional, falaremos disso mais tarde, antes disso quero que você preste atenção na sintaxe.

Lá no diretório lib, perceba que foi gerado um arquivo basics.ex e dentro dele um módulo Basics:

defmodule Basics do
end
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Para definir um módulo no elixir usamos a sintaxe defmodule você perceberá que basicamente, 100% dos códigos escritos em Elixir estão dentro de algum módulo.

Um módulo é uma coleção de diferentes métodos ou funções.

Então deixaremos de ser tediosos e escreveremos um pouco de código aqui!

Vamos criar uma função create_list que retornara uma lista.

defmodule Basics do
  def create_list do
    [1, 2, 3, "little indians"]
  end
end
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Perceba que usamos a sintaxe def para definir uma função create_list dentro do nosso método Basics.


Rodando nosso projeto

rolling simpson

Para rodar nosso projeto, utilizaremos o IEx (Interactive Elixir Shell). O IEx é como o Shell do Python ou o IRB do Ruby, podemos escrever qualquer código Elixir dentro dele e executar em Real Time.

Na pasta do projeto em seu terminal digite:

iex -S mix
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Com isso você devera abrir o IEx com seu projeto compilado, para testar digite:

Basics.create_list()
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Você devera receber a seguinte resposta:

[1, 2, 3, "little indians"]
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Um ponto importante que devemos notar é que nossa lista foi retornada automaticamente, isso é chamado retorno implícito onde o último valor da função chamada é retornado.

POO x Programação Funcional

Se você já usou Javascript ou Ruby provavelmente já escreveu algo do tipo:

this.myList = [1, 2, 3, "little indians"]
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Como observamos na sessão anterior não precisamos fazer isso no Elixir, o valor simplesmente foi retornado chamando a função que estava dentro do nosso módulo. Isso é extremamente importante quando estamos falando de Programação Funcional x Programação Orientada a Objeto.

Na prática na POO você cria classes e estancia essas classes em variáveis sempre que precisa utilizar os seus métodos, na PF você atribui um valor primitivo a um método que retornara algo.

Não é possível na programação funcional criar ou estanciar classes, lembre-se: um módulo no Elixir é apenas uma coleção de métodos e nada mais.

Para se aprofundar no assunto, estou colocando aqui um link para um curso de Programação Funcional com Elixir

Aridade

Veja bem eu disse ARIDADE (do inglês, Arity) e não RARIDADE ou PARIDADE, mas o que raios é Aridade 🤔?

Vamos criar uma nova função abaixo da que criamos anteriormente chamada shuffle:

def shuffle(list) do    
end
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Agora com no IEx usaremos a palavra reservada recompile para recompilar nossa aplicação, basta escrever:

recompile
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Depois vamos testar a função que acabamos de criar:

Basics.shuffle
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Você verá um erro parecido com esse:

** (UndefinedFunctionError) function Basics.shuffle/0 is undefined or private. Did you mean:
      * shuffle/1
    (basics 0.1.0) Basics.shuffle()
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Perceba o que este log esta nos falando, ele diz que a função Basics.shuffle precisa de um argumento shuffle/1, ou seja, a função Basics.shuffle possui aridade 1.

Veja esse exemplo:

defmodule Basics do
    def hello(), do: "Hello World"                              # hello/0
    def hello(name), do "Hello, #{name}"                        # hello/1
    def hello(name1, name2), do: "Hello, #{name1} and #{name2}" # hello/2
end

iex> Basics.hello()
"Hello World"
iex> Basics.hello("John")
"Hello, John"
iex> Basics.hello("John", "Nicole")
"Hello John and Nicole"
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

No Elixir aridade é um cidadão de primeira classe, ou seja, podemos invocar funções sem necessariamente informar os parâmetros.

Com base no nosso exemplo podemos perceber como o Elixir percebe cada função como diferente uma da outra devido a sua aridade, ou seja, através da aridade sabemos qual função deve ser chamada.

Isso será muito importante no futuro quando falarmos de Pattern Matching.

Para resumir, aridade se refere a quantidade de argumentos que uma função deve receber conforme a sua implementação e por padrão referimos-lhe com / e o número de argumentos do lado direito.

Para se aprofundar no assunto estou colocando um artigo da Elixir School.


Conclusão

Nesse artigo falamos um pouco sobre Elixir, Erlang e Beam, iniciamos nossa primeira aplicação com MIX, falamos um pouco sobre programação funcional e Aridade.

No próximo artigo vamos dar mais funcionalidades para a nossa aplicação.

Te vejo em breve! ;)

Top comments (0)

🌚 Browsing with dark mode makes you a better developer by a factor of exactly 40.

It's a scientific fact.