DEV Community

Cover image for Paralisia por Análise: A Insegurança Derivada do  Excesso de Informações.
Rubens dos Santos
Rubens dos Santos

Posted on

Paralisia por Análise: A Insegurança Derivada do Excesso de Informações.

"Agora eu sei que estou vivendo por quem eu sou."
— Who I Am, Smile Empty Soul


Durante nosso processo de evolução na carreira como profissional de tecnologia — específicamente programação — passamos por boas e más fases, embora essa última seja desagradável é onde nós mais nos desenvolvemos. Você começa a programar entusiasmado com o universo diante de você e aí decide qual tecnologia estudar.

Todo mundo diz a mesma coisa: "foque numa linguagem."

Você presume: ah, essa pessoa sabe do que está falando, ela está no mercado, vou seguir essa dica! Vou estudar JavaScript! Pois com JavaScript eu posso fazer um montão de coisa!

Seu coração palpita pois você está começando, dando seus primeiros passos para embarcar numa viagem direto para Atlântida ou para Lua, Você é o verdadeiro Dr. N. Howard Cham e nada o impedirá de alcançar seus objetivos.

A Segunda Decisão

Logo depois de aprender o básico de JavaScript você descobre duas coisas:

  1. Você não é o Dr. Cham
  2. A vida não é como um conto peculiar do Why's (poignant) Guide to Ruby
  3. Programar coisas legais é difícil.

Você quer estudar JavaScript mas em qual contexto? Front-end? Mobile? Back-end? Você não sabe em qual focar então tem uma ideia genial: "vou virar fullstack! Com isso terei todo o poder do JavaScript nas minhas mãos."

Porém como dito no n° 3: programar coisas legais é difícil. Programar coisas concebendo todos as suas frentes é mais dificil ainda. "SQL? Meu Deus, o que é isso? N:N, isso ainda é sobre programação?".
Mas você persiste: "basta eu estudar."

O Mercado

Você já está relativamente mais ou menos bom na tecnologia que você escolheu, e em algum momento você diz pra si mesmo: "estou pronto". O próximo passo é buscar por vagas para desenvolvedor fullstack, você começa a interagir com mais frequência em grupos de Facebook, Telegram, LinkedIn e etc. E é aqui que começa: ao ficar exposto a diversas opiniões, exigências e perspectivas diferentes você fica confuso. O que você sabe não parece ser o melhor caminho. Você pensa no futuro.

A Paralisia

Você passa a analisar diversos parâmetros para focar em algo: o que você gosta versus qual tecnologia é a mais promissora para o futuro versus qual tecnologia está menos saturada versus qual tecnologia possui uma entrada mais fácil para o mercado versus qual tecnologia é mais usada atualmente... e você fica que nem macaco, pulando de galho em galho, uma hora você aprende Go, outra você aprende Java, Python, PHP. O que você busca é a escolha certa, mas nunca escolhe nada pois teme investir na escolha errada e fica nesse processo da validação constante. Vivendo no raso, o que é pior que medíocre. Sabe um monte de coisas, mas não é bom em nada.

Todos os Caminhos Levam a Roma

Foi em meados de 2019, eu estava cursando Redes de Computadores no Instituto Federal e no Dia da Mulher foram convidadas algumas mulheres que trabalhavam com tecnologia. Uma delas era uma desenvolvedora Ruby que colaborava com projetos open-source. Lembro-me claramente dela perguntar para uma plateia de calouros do curso de Sistemas da Informação: "alguém aqui conhece o Github?", e eu ser o único a levantar a mão.
Fiquei fascinado por ela, a história dela era incrível! Depois da palestra fui pedir conselhos. Dentre as perguntas que eu fiz a mais importante foi: "Qual maior conselho você daria para alguém que está começando a programar?". A resposta foi imediata, sem hesitação: "foque em uma tecnologia".
Todo mundo diz isso, mas ninguém explica o porquê, e consequentemente quem ouve não entende o que realmente significa e a importância disso.
Quando você foca em uma tecnologia você atinge um patamar de conhecimento na mesma que os detalhes dela deixam de ser um empecilho e assim você pode focar em conceitos mais avançados como padrões de projeto, paralelismo eficaz, boas práticas e afins. Quando você fica pulando de tecnologia em tecnologia, os detalhes da tecnologia sempre serão um empecilho e você nunca consegue sair dessa primeira camada.
Eu tive uma base sólida em Python, estudei desenvolvimento web com Python e a partir disso não tive nenhuma dificuldade em aprender outras ferramentas. O mesmo vale se você começa com PHP, Java, JavaScript. Realmente tanto faz, comece por alguma lugar e quando estiver pronto estude o que descobriu ser o que você realmente quer fazer. Não seja um programador dependente da linguagem, embora seja quase uma anáfora dizer isso, afirmo: linguagem é só ferramenta. Um meio para um fim.

Respire

O excesso de opiniões mina nosso caminho. Ninguém sabe do futuro e não existe mercado saturado para bons profissionais. Lembro-me de ter deixado de estudar Python e ido para JavaScript porque aparentemente haviam mais vagas para desenvolvedores JavaScript. Uma belo dia surgiu uma vaga Python perfeita para mim, mas eu já não me sentia mais capaz (Sindrome do Impostor? Talvez), fazia muito tempo que não desenvolvia web com Python e eu estava muito envolvido com JavaScript. Respeite seu tempo como iniciante. Não pule etapas. Busque o que você gosta.

A Decisão

Só escolha. Sério. Qualquer coisa que você escolher vai ser uma boa escolha. Não é a tecnologia que vai te definir. Se você for dedicado e esforçado, nada será uma barreira para você. Filtre bem as opiniões, a maioria das pessoas são tão inseguras quanto você e sabem tanto do futuro quanto você. Não corra, não se desespere e o mais importante: não pule etapas!

Discussion (0)