DEV Community

guilhermegarcia86
guilhermegarcia86

Posted on • Originally published at programadev.com.br on

Validando endpoints com NodeJS

Introdução

No último artigo vimos como integrar a uma aplicação Express com o banco de dados não relacional MongoDB. Porém detectamos que estávamos expondo mais informações do que queríamos na resposta das operações, ex:

{
    "id": 1,
    "name": "Kelly",
    "telephone": "118888888",
    "address": "Rua dos Bobos n 1",
    "_id": "607d805caa972341ebd3e568"
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

A exposição do campo _id não é uma boa pratica pois pode expor detalhes internos que não queremos compartilhar com o mundo externo.

Além disso a API ainda não efetua nenhuma validação sobre os dados que recebe e como queremos manter a consistência dos dados que serão inseridos iremos adicionar ao projeto a biblioteca de validações Joi e o middleware Celebrate para tratamento das respostas da API.

Transformando o modelo

No primeiro artigo criamos a classe Contact mas não chegamos a usá-la, agora iremos revê-la e começaremos a usar o modelo na aplicação.

É muito importante ser definido um domínio para a sua aplicação, um domínio bem estruturado e planejado impede que aplicações que começaram simples cresçam sem controle, agregando mais responsabilidades do que deveriam lidar. Esse é um problema antigo mas com o advento dos microservices ficou explícito o quanto é importante haver um domínio bem estruturado.

Nessa aplicação o domínio é óbvio, contatos, porém nem sempre isso é tão claro e vale a pena investir um bom tempo separando os domínios de uma aplicação e como eles se relacionam e trocam informações uns com os outros.

Olhando para o arquivo na pasta model temos o seguinte:

const Contact = {

    id: 0,
    name: "",
    telephone: "",
    address: ""

}

module.exports = Object.create(Contact)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Um ponto importante sobre domínios de aplicação é que eles não devem guardar informações que não sejam referentes ao seu domínio. Parece óbvio essa ideia porém como visto no exemplo acima temos um objeto Contato porém existe nele um campo chamado id que poderia ser usado por um banco de dados contudo não agrega valor ao domínio Contato , a primeira coisa seria excluí-lo. A segunda coisa que podemos usar para nos ajudar a manipular os dados do nosso domínio é ter uma forma de criarmos o objeto, uma função criadora que receba os dados de um contato e devolva uma instância pronta. Há algumas formas de fazer porém aqui iremos usar um construtor , uma função que toda classe já possui no JavaScript e já é responsável por criar o objeto.

Para podermos usar um construtor é necessário algumas alterações no objeto Contato :

class Contact {

    constructor(name, telephone, address){
        this.name = name
        this.telephone = telephone
        this.address = address
    }

}

module.exports = Contact
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Agora tiramos o campo id do domínio e alteramos o objeto Contato para que ele seja uma classe, com um construtor e três variáveis que são informadas no momento da criação.

Vamos usar a classe Contato , porém onde seria o lugar mais apropriado para isso?

Podemos delegar para a camada da nossa aplicação que é responsável por executar a lógica, a camada Service. Faz sentido pois nessa camada executamos as regras que são pertinentes e salvamos no banco de dados, então bem que podemos fazer esse tratamento lá.

const Contact = require('../model')

class Service{

    constructor(repository){
        this.repository = repository
    }

    create(body){
        const contact = new Contact(body.name, body.telephone, body.address)
        this.repository.insert(contact)
    }

    async getById(name){
        const contact = await this.repository.selectById(name)

        return new Contact(contact.name, contact.telephone, contact.address)
    }

    async getAll(){
        const contactList = await this.repository.selectAll()

        const result = contactList.map((contact) => {
            return new Contact(contact.name, contact.telephone, contact.address)
        })

        return result
    }

    async put(name, body){
        const contact = await this.repository.update(name, new Contact(body.name, body.telephone, body.address))

        const result = contact.value

        return new Contact(result.name, result.telephone, result.address)
    }

    async patch(name, body){
        return this.repository.patch(name, body);
    }

    remove(name){
        this.repository.remove(name)
    }

}

module.exports = Service
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

No código acima para cada ponto que precisamos inserir ou recuperar os dados da aplicação iremos usar a classe Contato para mantermos o padrão de domínio.

Para ficar mais claro iremos fazer as requisições para a API e ver as respostas.

curl --location --request POST 'http://localhost:3000/api' \
--header 'Content-Type: application/json' \
--data-raw '{

    "name": "Kelly",
    "telephone": "1199999999",
    "address": "Rua dos Bobos n 2"

}' | json_pp
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E temos como resposta o seguinte:

{
    "name": "Kelly",
    "telephone": "1199999999",
    "address": "Rua dos Bobos n 2"
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Podemos notar que não existe mais um campo id, apesar de internamente existir e ser importante para o banco de dados para o nosso domínio e para a nossa resposta ao usuário que fez essa chamada não é.

Adicionando validação

A nossa aplicação ainda não é capaz de validar a entrada de dados. Validar entrada de dados é algo que pode começar simples e logo se torna muito complicado dependendo das regras, para nos ajudar com isso existe uma biblioteca especializada nisso, o JOI , onde conseguimos definir regras a serem seguidas. Validar entrada de dados é algo que pode ser muito complicado e o JOI possui uma vasta documentação para nos ajudar com regras, desde as mais simples até as mais complexas usando Regex.

Em conjunto com o JOI , que faz a validação dos dados que estão entrando na aplicação precisamos devolver uma resposta clara e padronizada ao usuário sobre o erro ocorrido. Para isso usaremos o middleware Celebrate que integra muito bem ao JOI.

Precisamos adicionar somente o Celebrate ao projeto, pois o JOI é usado internamente pelo Celebrate :

npm install --save celebrate
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E vamos começar criando a parte da nossa aplicação que será responsável por fazer as validações, vamos criar um pasta chamada validation e nela criamos o arquivo index.js:

const { Joi } = require('celebrate')

const bodySchema = Joi.object().keys({
    name: Joi.string().min(3).required(),
    telephone: Joi.string().required(),  
    address: Joi.string().required()
})

const pathSchema = { name: Joi.string().min(3).required() } 

module.exports = {
    bodySchema,
    pathSchema
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Definimos as seguintes validações:

  • Quando for passado um body são obrigatórios todos os campos e o campo name deve ter pelo menos 3 caracteres.
  • Quando for passado um pathParam de nome name, ele é obrigatório e deve ter pelo menos 3 caracteres.

Agora precisamos adicionar essas validações nas rotas, mas antes disso para que o Celebrate possa lidar com as mensagens de erro é necessário adicioná-lo como middleware para o Express :

const express = require('express')
const app = express()
const bodyParser = require('body-parser')
const router = require('./router')
//Declaração do middleware de erros do Celebrate
const { errors } = require('celebrate')

app.use(bodyParser.json())
app.use(bodyParser.urlencoded({ extended: true }))

app.use((req, resp, next) => {
    resp.set('Access-Control-Allow-Origin', '*')
    next()
})

app.use('/api', router)

//Inclusão do middleware
app.use(errors())

const server = app.listen(3000, () => console.log('A API está funcionando!'))

module.exports = server
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E após podemos adicionar as validações nas rotas:

const { celebrate, Segments } = require('celebrate')
const validation = require('../validation')

router.post('/', celebrate({[Segments.BODY]: validation.bodySchema }), async (req, res) => {
    const contact = req.body

    service.create(contact)

    res.status(201).json(contact)
})

router.get('/:name', celebrate({[Segments.PARAMS]: validation.pathSchema }), async (req, res) => {

    const id = req.name_from_param

    const result = await service.getById(id)
    if(result !== undefined){
        res.status(200).json(result)
        return
    }

    res.sendStatus(204)

})
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

As funções de rotas do Express podem receber um argumento que é um handler e no nosso caso será o Celebrate juntamente com a validação do JOI.

Na função celebrate é passado um objeto onde a chave é o segmento, Segments , que deve ser validado, no nosso exemplo validamos tanto o body com o Segments.BODY e o pathParam com o Segments.PARAMS ; e o valor é a validação que deve ser aplicada.

Com isso podemos testar a API, primeiramente com POST :

curl --location --request POST 'http://localhost:3000/api' \
--header 'Content-Type: application/json' \
--data-raw '{

    "name": "Kelly",
    "address": "Rua dos Bobos n 2"

}' | json_pp
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E teremos a seguinte validação:

{
    "statusCode": 400,
    "error": "Bad Request",
    "message": "celebrate request validation failed",
    "validation": {
        "body": {
            "source": "body",
            "keys": [
                "telephone"
            ],
            "message": "\"telephone\" is required"
        }
    }
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E agora com um GET :

curl --location --request GET 'http://localhost:3000/api/k'
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E como resposta teremos:

{
    "statusCode": 400,
    "error": "Bad Request",
    "message": "celebrate request validation failed",
    "validation": {
        "params": {
            "source": "params",
            "keys": [
                "name"
            ],
            "message": "\"name\" length must be at least 3 characters long"
        }
    }
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Conclusão

Nesse artigo foi apresentado como podemos deixar a nossa aplicação um pouco mais coerente através de uma especificação de domínio e inserir validações que nos ajudam a proteger a aplicação de inserção de dados errados ou consultas desnecessárias.

Código do projeto

O código desse artigo está no GitHub.

Discussion (0)