DEV Community

loading...
Cover image for Controlando containers de dentro sua aplicação com ContainerD
Microsoft Azure

Controlando containers de dentro sua aplicação com ContainerD

Lucas Santos
Developer since 2011, working with high availability web and cloud native applications since 2013 and homebrewer in the free time. Microsoft MVP Reconnect and Google GDE. Loves communities <3
Originally published at blog.lsantos.dev on ・16 min read

Como já falamos no artigo anterior, o Kubernetes recentemente marcou o Docker como depreciado, ou seja, não poderemos mais usar a integração com o Docker diretamente de dentro de um Pod a não ser que instalemos ele manualmente.

Neste mesmo artigo falei sobre o que isso significa para o ecossistema e apresentei a Open Container Initiative (OCI), que é a responsável por criar o padrão que seguimos para que os runtimes de containers possam executar o mesmo tipo de imagem. Todas as imagens compatíveis com o OCI poderão ser executadas por qualquer runtime também compatível, isso abre portas para a criação de diferentes runtimes.

Agora, vamos entender como podemos utilizar o ContainerD para integrar com as nossas aplicações e executar containers sem a necessidade do Docker ou de qualquer comunicação com ele.

ContainerD

Assim como o CRI-O, Docker Engine e o RKT, o ContainerD é um runtime de containers, ou seja, ele é a ferramenta que gerencia todo o ciclo de vida de um container, desde o download de imagem até a criação das interfaces de rede, supervisão e armazenamento.

Overview do ecossistema do ContainerD (Fonte: ContainerD)

Isso significa que podemos pegar qualquer imagem que seja compatível com a especificação da OCI e rodar usando o ContainerD. Então se é tudo compatível, por que não usamos o Docker direto?

Pelo mesmo motivo que o Kubernetes depreciou o suporte ao Docker. Por mais que possamos querer uma aplicação como o Docker, ele ainda é totalmente voltado aos usuários e a interação dos usuários com a ferramenta, ou seja, o Docker é uma ferramenta feita para ser usada por pessoas, não por máquinas.

Com o ContainerD podemos integrar a manipulação de containers no código, porque ele não possui uma interface de usuário. E é exatamente o que vamos fazer aqui.

Preparativos

Antes de podermos executar a nossa imagem usando o ContainerD, vamos ter que preparar uma máquina para executar a ferramenta. O ctr (CLI do ContainerD) só executa em ambientes que possuam a implementação runc da OCI instalada e, infelizmente, essa implementação só existe para Linux.

Criando uma VM

No meu caso, estou usando um Mac, se você estiver em qualquer outro ambiente que não seja Linux (como o Windows), você precisará de uma máquina virtual – ou você pode usar o WSL2 no Windows. Eu decidi ir pela primeira opção e criei uma máquina virtual usando o VirtualBox e a imagem netboot do Ubuntu 18.4 (só porque ela é mais leve e mais rápida de baixar).

Rodei uma pequena VM usando Linux em meu computador

Nota: Se você quiser instalar o Ubuntu usando a mesma imagem que eu utilizei, selecione sua arquitetura de sistema (x86, amd64, arm, etc.) no link acima e baixe o arquivo chamado mini.iso. A partir daí, execute a imagem no VirtualBox.

Se você estiver utilizando o Linux ou uma de suas distribuições então esse passo não é necessário, você pode pular diretamente para a instalação do runc.

Nota 2: Não vou entrar em detalhes de como fazer a instalação da máquina virtual nem como executar o Ubuntu neste artigo, existem vários artigos e tutoriais incríveis na Internet sobre o mesmo tópico, eles são bem simples de se encontrar.

Depois de criada a máquina virtual, vamos instalar o a linguagem Go na máquina.

Instalando o Go

Neste exemplo vamos integrar a nossa aplicação em Go com o ContainerD e já vamos aproveitar para compilar o runc (outra dependência necessária) direto da fonte.

Estou usando a distribuição do Linux Ubuntu 18.4, então a instalação pode ser feita usando o Snap ou o arquivo Tar. Você pode achar todas as opções na documentação. No meu caso, instalei usando o Snap com o seguinte comando:

sudo snap install go --classic
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Para este tutorial estou usando a versão 1.15.6:

Vamos criar uma pasta em qualquer local – eu escolhi ~/gopath – para criar o nosso $GOPATH, depois, vamos abrir o nosso arquivo .bashrc e adicionar a seguinte linha:

export GOPATH=~/gopath
export PATH=$PATH:$GOPATH/bin
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Depois salvaremos e iremos rodar o comando source .bashrc para poder carregar as alterações. Então vamos criar os diretórios corretos usando o comando a seguir:

mkdir -p $GOPATH/src/github.com
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Mas eu preciso saber Go?

Não obrigatoriamente, o ContainerD possui um CLI que você pode utilizar para fazer a comunicação via linha de comando.

Além disso, o ContainerD também possui uma API em gRPC que permite que você se comunique diretamente com o Socket do serviço e chame os RPC's necessários, como Mark Kose fez aqui com o browser (mas ele usou o Envoy para se comunicar com o socket) e por aqui usando Java com o gRPC.

Então, extrapolando um pouco o conceito (mas nem tanto assim), é possível utilizar qualquer linguagem suportada pelo gRPC para poder se conectar com o socket do ContainerD no arquivo containerd.sock. Muito semelhante ao que a gente faz com a integração usando o docker.sock. Porém, infelizmente, não há um client nativo exceto o escrito em Go.

Instalando o runc

O runc é um projeto open source feito pela OCI, você pode achar o repositório oficial aqui. Podemos fazer a instalação de algumas formas:

  1. Baixando uma release da lista de releases e colocando em uma pasta que esteja na sua variável $PATH
  2. Clonando o repositório e executando make, como descrito no README.
  3. Utilizando o go get

O meio mais fácil sem dúvida é utilizar a opção 3, pois a 1 exige que saibamos algumas informações sobre nosso sistema e a 2 pode dar alguns problemas dependendo da arquitetura. Já que temos o Go instalado, vamos somente instalar o runc como um novo pacote.

Execute o comando a seguir para baixar e instalar o runc:

go get github.com/opencontainers/runc
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Após um tempo, verifique se há um binário chamado runc na pasta $GOPATH/bin. Tente executar o comando runc --version para ter uma saída parecida com esta:

runc instalado e pronto para ser executado

Caso contrário, gere o binário você mesmo indo até a pasta de download com cd $GOPATH/src/github.com/opencontainers/runc e executando o comando make && sudo make install.

Instalando o ContainerD

Para instalarmos o ctr, o CLI do ContainerD, na nossa máquina virtual. No caso do ubuntu é simplesmente executar o comando sudo apt install containerd -y, para outros sistemas veja a página de downloads.

Se tudo correu bem, você poderá executar o comando ctr version para mostrar o número da versão do CLI.

Se você estiver tendo problemas em executar o comando ctr version com uma mensagem de "Permission Denied" ao ler o arquivo containerd.sock em /run/containerd, execute o comando como sudo.

Além disso, o ContainerD também pode ser usado com o Systemd como um serviço Daemon, para verificar se está tudo correto, utilize o comando sudo systemctl status containerd, você deve obter uma saída informando que o daemon do ContainerD está instalado e executando.

Se você quiser ter mais certeza, execute o comando ps -fC containerd e veja os processos aparecendo na lista de processos do sistema:

UID PID PPID C STIME TTY TIME CMD
root 23133 1 0 14:23 ? 00:00:02 /usr/bin/containerd
root 23666 23643 0 14:42 ? 00:00:00 containerd

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Usando sem precisar de sudo

Para remover a necessidade do uso de sudo para a execução do ctr, podemos alterar o arquivo de configuração do daemon que fica localizado em /etc/containerd/config.toml, por padrão o arquivo não é gerado, então temos que gerar um arquivo base. Para isso vamos criar o diretório e executar o comando nativo do containerd para gerar um arquivo base.

sudo mkdir -p /etc/containerd
sudo containerd config default > /etc/containerd/config.toml

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Este comando irá gerar um arquivo próximo a este em /etc/containerd:

version = 2
root = "/var/lib/containerd"
state = "/run/containerd"
plugin_dir = ""
disabled_plugins = []
required_plugins = []
oom_score = 0

[grpc]
  address = "/run/containerd/containerd.sock"
  tcp_address = ""
  tcp_tls_cert = ""
  tcp_tls_key = ""
  uid = 0
  gid = 0
  max_recv_message_size = 16777216
  max_send_message_size = 16777216

[ttrpc]
  address = ""
  uid = 0
  gid = 0

[debug]
  address = ""
  uid = 0
  gid = 0
  level = "debug"

[metrics]
  address = ""
  grpc_histogram = false

[cgroup]
  path = ""

[timeouts]
  "io.containerd.timeout.shim.cleanup" = "5s"
  "io.containerd.timeout.shim.load" = "5s"
  "io.containerd.timeout.shim.shutdown" = "3s"
  "io.containerd.timeout.task.state" = "2s"

[plugins]
  # Omitido

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Vamos buscar o ID do nosso usuário e do nosso grupo, para isso digite o comando id na linha de comando e copie os IDs uid e gid, no meu caso, ambos são 1000:

uid=1000(khaosdoctor) gid=1000(khaosdoctor) groups=1000(khaosdoctor),4(adm),24(cdrom),27(sudo),30(dip),46(plugdev),117(lpadmin),124(sambashare),999(vboxsf)

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Agora abra o arquivo e vamos editar as seções [grpc], [ttrpc] e [debug] do arquivo TOML. Substitua as propriedades uid e gid de 0 para o número do seu usuário e grupo, ficando assim (lembrando que os meus eram 1000):

[grpc]
  address = "/run/containerd/containerd.sock"
  tcp_address = ""
  tcp_tls_cert = ""
  tcp_tls_key = ""
  uid = 1000
  gid = 1000
  max_recv_message_size = 16777216
  max_send_message_size = 16777216

[ttrpc]
  address = ""
  uid = 1000
  gid = 1000

[debug]
  address = ""
  uid = 1000
  gid = 1000
  level = "debug"

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Salve o arquivo e feche o editor. Agora execute sudo systemctl restart containerd e depois sudo ls -l /run/containerd e verifique se o arquivo containerd.sock está sob o seu nome de usuário e grupo.

Usando o ctr

O primeiro passo para utilizar o ContainerD é entender o ctr, da mesma forma como o Docker trabalha com linhas de comando, temos a capacidade de criar e gerenciar containers de uma forma mais controlada com o ctr.

Primeiramente, temos que criar um namespace. Namespaces são separações lógicas no sistema que permitem que usuários diferentes no mesmo sistema possam trabalhar sem conflitar. Para isso vamos executar o comando ctr namespaces create:

ctr namespaces create lsantos # Estou criando um namespace chamado "lsantos"

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Podemos ver os namespaces criados com o comando ctr namespaces ls:

NAME LABELS 
lsantos 

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Finalmente, podemos baixar nossa primeira imagem, como teste, vou baixar uma imagem própria que contém uma pequena API em Node.js que responde um "Hello World" para todo mundo que acessar uma determinada porta. Vamos executar o comando abaixo para poder baixar a imagem:

ctr images pull docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E ai podemos listar as imagens com ctr images ls:

REF TYPE DIGEST SIZE PLATFORMS LABELS 
docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest application/vnd.docker.distribution.manifest.v2+json sha256:587747676c8aa6e26e2c7f3adf8c76c5653e63e96af6510fbf12357be4fcd0f3 254.1 MiB linux/amd64 -  

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Agora que temos nossa imagem baixada, vamos executá-la. Os comandos do ctr são bem parecidos com os próprios comandos do Docker. Vamos executar a o seguinte comando:

sudo ctr run \
  --net-host \
  --rm \
  --env PORT=8080 \
  docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest \
  simple-api

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E temos um container em execução:

Vamos passar parte por parte do comando:

  • sudo ctr run: É o comando que diz para o ContainerD criar um container a partir de um FS ou uma imagem
  • --net-host: Permite que acessemos a rede do container através do host (assim podemos acessar nossa API)
  • --rm: Assim como no Docker, remove o container após executar
  • --env PORT=8080: Criamos uma variável de ambiente dentro do container chamada PORT com o valor 8080, como a documentação da imagem diz
  • docker.io/khaosdoctor/...: Falamos qual é a imagem que queremos executar
  • simple-api: Damos um nome ao container, este nome pode ser qualquer coisa

Agora podemos entrar no browser no endereço localhost:8080 e ver a mágica acontecer!

Parabéns! Você acabou de criar o seu primeiro container sem precisar do Docker!

Integrando com a API do ContainerD

Agora, vamos para a segunda parte, onde fazemos tudo isso só que sem nenhum tipo de linha de comando ou CLI para ajudar. Vamos escrever uma aplicação em Go para podermos integrar diretamente com o containerd.sock e dar os comandos através da interface gRPC dele.

A grande vantagem de se utilizar o Go para este tipo de ação é que temos o client nativo direto da fonte, pois o ContainerD é escrito em Go. Então tudo fica muito mais fácil!

O exemplo que vamos fazer aqui é muito parecido com o exemplo do site da lib, porém vamos simplificar um pouco mais para podermos executar o que fizemos antes através do ctr.

Primeiramente, vou criar um diretório em qualquer local da minha VM (se você estiver usando o VirtualBox, dê uma olhada na opção "Shared Folders"), resolvi chamar meu diretório de containerd, dentro dele criei uma outra pasta chamada src.

Criando um client

Vamos iniciar um novo módulo executando go mod init containerd e depois baixar o pacote do client do ContainerD com go get github.com/containerd/containerd, isso vai criar uma nova pasta pkg com os arquivos necessários dentro.

Dentro da pasta src vou criar um novo arquivo chamado main.go e vou criar o client do ContainerD:

package main

import (
    "log"

    "github.com/containerd/containerd"
)

func main() {
    if err := createAPI(); err != nil {
        log.Fatal(err)
    }
}

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()

    if err != nil {
        return err
    }

    return nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Aqui o que estamos fazendo é basicamente criar o client do ContainerD passando o caminho do arquivo .sock que vamos nos comunicar.

Criando um contexto

Já que estamos usando o socket para nos comunicar via gRPC, vamos ter que criar um contexto para as chamadas. Para isso, vamos importar o pacote github.com/containerd/containerd/namespaces no topo do nosso arquivo e criar um novo contexto e um novo namespace, muito parecido com o que já fizemos antes com o crt.

Nossos imports ficarão assim:

import (
    "context"
    "log"

    "github.com/containerd/containerd"
    "github.com/containerd/containerd/namespaces"
)

Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Depois adicionaremos uma outra linha dentro da função createAPI:

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()
    if err != nil {
        return err
    }

    ctx := namespaces.WithNamespace(context.Background(), "lsantos")

    return nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Aqui estamos criando um novo namespace chamado lsantos e vamos passar um contexto vazio.

Baixando uma imagem

Vamos dar o pull para a nossa imagem da mesma forma que fizemos com o comando ctr image pull. Nossa função final ficará assim:

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()
    if err != nil {
        return err
    }

    ctx := namespaces.WithNamespace(context.Background(), "lsantos")

    image, err := client.Pull(ctx, "docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest", containerd.WithPullUnpack)
    if err != nil {
        return err
    }
    log.Printf("Imagem %q baixada", image.Name())

    return nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Na sua VM execute o comando go build ./src/main.go e depois ./main, você deverá ver uma saída dizendo que a imagem foi baixada.

Criando um container

Para podermos executar um container através da interface programática, temos que criar um runtime OCI válido. Este runtime pode ter várias configurações, mas o ContainerD já tem um runtime padrão muito bom e muito útil, então vamos utilizá-lo.

Para isso vamos criar uma nova função chamada createContainer, ela vai ter a seguinte assinatura:

func createContainer (
    ctx context.Context,
    client *containerd.Client,
    image containerd.Image,
) (containerd.Container, error) { }
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Para iniciarmos o container sem problemas de nomenclatura, vamos criar automaticamente um hash único baseado no horário para cada container. Vamos importar as bibliotecas crypto/sha256, encoding/hex e time e fazer o seguinte código:

func createContainer (
    ctx context.Context,
    client *containerd.Client,
    image containerd.Image,
) (containerd.Container, error) {

    hasher := sha256.New()
    hasher.Write([]byte(time.Now().String()))
    salt := hex.EncodeToString(hasher.Sum(nil))[0:8]

    containerName := "simple-api-" + salt
    log.Printf("Criando um novo container chamado %q", containerName)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Agora podemos criar o nosso spec do OCI, para isso vamos importar o módulo OCI do ContainerD, nossos imports ficarão assim:

import (
    "context"
    "crypto/sha256"
    "encoding/hex"
    "log"
    "time"

    "github.com/containerd/containerd"
    "github.com/containerd/containerd/namespaces"
    "github.com/containerd/containerd/oci"
)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

E agora criamos o spec em uma variável a parte:

func createContainer (
    ctx context.Context,
    client *containerd.Client,
    image containerd.Image,
) (containerd.Container, error) {

    hasher := sha256.New()
    hasher.Write([]byte(time.Now().String()))
    salt := hex.EncodeToString(hasher.Sum(nil))[0:8]

    containerName := "simple-api-" + salt
    log.Printf("Criando um novo container chamado %q", containerName)

    imageSpecs := containerd.WithNewSpec(
        oci.WithImageConfig(image),
        oci.WithEnv([]string{"PORT=8080"}),
        oci.WithHostNamespace(specs.NetworkNamespace),
        oci.WithHostHostsFile,
        oci.withHostResolvconf,
        )
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Perceba que os specs são, na verdade, as configurações da imagem que estamos querendo executar, por isso estamos passando uma nova configuração chamada oci.WithEnv, onde passamos a string da variável de ambiente.

Além disso temos WithHostNamespace que seta o namespace do container para ser o mesmo que o nosso, também temos WithHostHostsFile e WithHostResolvconf que monta o nosso arquivo /etc/hosts e /etc/resolv.conf no container para que possamos acessar o container de fora, como fizemos com o --net-host.

Inclusive, o código fonte docrt faz a mesma coisa que estamos fazendo agora quando um container é inicializado com a flag --net-host

Após isto, vamos finalizar a função criando o container. A função final ficaria assim:

func createContainer (
    ctx context.Context,
    client *containerd.Client,
    image containerd.Image,
) (containerd.Container, error) {

    hasher := sha256.New()
    hasher.Write([]byte(time.Now().String()))
    salt := hex.EncodeToString(hasher.Sum(nil))[0:8]

    containerName := "simple-api-" + salt
    log.Printf("Criando um novo container chamado %q", containerName)

    imageSpecs := containerd.WithNewSpec(
        oci.WithImageConfig(image),
        oci.WithEnv([]string{"PORT=8080"}),
        )

    container, err := client.NewContainer(
        ctx,
        containerName,
        containerd.WithNewSnapshot(containerName + "-snapshot", image),
        imageSpecs,
    )
    if err != nil {
        return nil, err
    }

    log.Printf("Criado novo container %q", containerName)
    return container, nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Então chamamos a função na nossa função principal, logo após baixar a imagem:

container, err := createContainer(ctx, client, image)
if err != nil {
    return err
}
defer container.Delete(ctx, containerd.WithSnapshotCleanup)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Estamos realizando a remoção do container logo após a sua execução, similar ao --rm que utilizamos, a função completa fica assim:

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()
    if err != nil {
        return err
    }

    ctx := namespaces.WithNamespace(context.Background(), "lsantos")

    image, err := client.Pull(ctx, "docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest", containerd.WithPullUnpack)
    if err != nil {
        return err
    }
    log.Printf("Imagem %q baixada", image.Name())

    container, err := createContainer(ctx, client, image)
    if err != nil {
        return err
    }
    defer container.Delete(ctx, containerd.WithSnapshotCleanup)

    return nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Você pode ver tudo em ação através dos mesmos comandos go build ./main.go e sudo ./main:

Tasks e containers

Uma segregação importante que é feita no ContainerD é entre os containers e as tasks.

Enquanto um container é um objeto com vários metadados e recursos alocados, uma task é um processo real que está rodando no sistema. Toda a taks deve ser removida após sua execução , mas containers podem ser reutilizados e atualizados múltiplas vezes.

Vamos criar uma nova função createTask para que possamos buscar todo o IO do container e exibí-lo no nosso terminal:

func createIOTask (ctx context.Context, container containerd.Container) (containerd.Task, error) {
    task, err := container.NewTask(ctx, cio.NewCreator(cio.WithStdio))
    if err != nil {
        return nil, err
    }
    return task, nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

O que estamos fazendo aqui é importando a biblioteca github.com/containerd/containerd/cio para criar um link que permitirá que toda a saída de informações do nosso container vá para nosso arquivo main.go, vamos chamá-la na nossa função principal logo abaixo da criação do container:

task, err := createIOTask(ctx, container)
if err != nil {
    return err
}
defer task.Delete(ctx)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

No momento, a nossa task está no status created, ou seja, está criada mas não iniciada. Vamos inicia-la, mas temos que tomar cuidado para sempre esperar ela finalizar antes de podermos matar a mesma. Vamos adicionar essas linhas na nossa função principal, abaixo de onde chamamos defer task.Delete:

    exitStatus, err := task.Wait(ctx)
    if err != nil {
        log.Println(err)
    }

    if err := task.Start(ctx); err != nil {
        return err
    }
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Isso vai garantir que vamos esperar a task finalizar antes de podermos removê-la.

Matando o processo

Como estamos executando um processo que executa sem final (long-running process) vamos dar um tempo para ele executar e mostrar seus logs, assim como o tempo necessário para podermos entrar na nossa API e verificar tudo.

Até agora a nossa função está assim:

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()
    if err != nil {
        return err
    }

    ctx := namespaces.WithNamespace(context.Background(), "lsantos")

    image, err := client.Pull(ctx, "docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest", containerd.WithPullUnpack)
    if err != nil {
        return err
    }
    log.Printf("Imagem %q baixada", image.Name())

    container, err := createContainer(ctx, client, image)
    if err != nil {
        return err
    }
    defer container.Delete(ctx, containerd.WithSnapshotCleanup)

    task, err := createIOTask(ctx, container)
    if err != nil {
        return err
    }
    defer task.Delete(ctx)

    exitStatus, err := task.Wait(ctx)
    if err != nil {
        log.Println(err)
    }

    if err := task.Start(ctx); err != nil {
        return err
    }

    return nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Vamos adicionar as seguintes linhas antes do return nil:

time.Sleep(10 * time.Second)

if err := task.Kill(ctx, syscall.SIGTERM); err != nil {
    return err
}

status := <-exitStatus
exitCode, _, err := status.Result()
if err != nil {
    return err
}

log.Printf("%q foi finalizado com status: %d\n", container.ID(), exitCode)
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Estamos esperando 10 segundos (pode aumentar este tempo se for necessário) para poder enviar um comando task.Kill, depois estamos esperando o status da chamada ser retornado através de um Channel para podermos pegar o resultado e exibir na tela.

Concluindo

Podemos agora executar nosso container normalmente, primeiro podemos usar o go build ./main.go e depois sudo ./main.go para poder executar o comando e rodar os containers:

Fluxo de execução completo

Se tentarmos acessar a API pelo browser dentro dos 10 segundos vamos obter o mesmo resultado que tivemos anteriormente:

E é assim que podemos manipular containers usando o runc e o containerd de forma programática e ainda entender um pouco mais sobre como o ecossistema de containers funciona!

Nosso arquivo final ficou assim:

package main

import (
    "context"
    "crypto/sha256"
    "encoding/hex"
    "log"
    "syscall"
    "time"

    "github.com/containerd/containerd"
    "github.com/containerd/containerd/cio"
    "github.com/containerd/containerd/namespaces"
    "github.com/containerd/containerd/oci"
    "github.com/opencontainers/runtime-spec/specs-go"
)

func main() {
    if err := createAPI(); err != nil {
        log.Fatal(err)
    }
}

func createAPI () error {
    client, err := containerd.New("/run/containerd/containerd.sock")
    defer client.Close()
    if err != nil {
        return err
    }

    ctx := namespaces.WithNamespace(context.Background(), "lsantos")

    image, err := client.Pull(ctx, "docker.io/khaosdoctor/simple-node-api:latest", containerd.WithPullUnpack)
    if err != nil {
        return err
    }
    log.Printf("Imagem %q baixada", image.Name())

    container, err := createContainer(ctx, client, image)
    if err != nil {
        return err
    }
    defer container.Delete(ctx, containerd.WithSnapshotCleanup)

    task, err := createIOTask(ctx, container)
    if err != nil {
        return err
    }
    defer task.Delete(ctx)

    exitStatus, err := task.Wait(ctx)
    if err != nil {
        log.Println(err)
    }

    if err := task.Start(ctx); err != nil {
        return err
    }

    time.Sleep(10 * time.Second)

    if err := task.Kill(ctx, syscall.SIGTERM); err != nil {
        return err
    }

    status := <-exitStatus
    exitCode, _, err := status.Result()
    if err != nil {
        return err
    }
    log.Printf("%q foi finalizado com status: %d\n", container.ID(), exitCode)

    return nil
}

func createContainer (
    ctx context.Context,
    client *containerd.Client,
    image containerd.Image,
) (containerd.Container, error) {

    hasher := sha256.New()
    hasher.Write([]byte(time.Now().String()))
    salt := hex.EncodeToString(hasher.Sum(nil))[0:8]

    containerName := "simple-api-" + salt
    log.Printf("Criando um novo container chamado %q", containerName)

    imageSpecs := containerd.WithNewSpec(
                                                                            oci.WithDefaultSpec(),
                                                                            oci.WithImageConfig(image),
                                                                            oci.WithEnv([]string{"PORT=8080"}),
                                                                            oci.WithHostNamespace(specs.NetworkNamespace),
                                                                            oci.WithHostHostsFile,
                                                                            oci.WithHostResolvconf,
                                                                            )

    container, err := client.NewContainer(
        ctx,
        containerName,
        containerd.WithNewSnapshot(containerName + "-snapshot", image),
        imageSpecs,
    )
    if err != nil {
        return nil, err
    }

    log.Printf("Criado novo container %q", containerName)
    return container, nil
}

func createIOTask (ctx context.Context, container containerd.Container) (containerd.Task, error) {
    task, err := container.NewTask(ctx, cio.NewCreator(cio.WithStdio))
    if err != nil {
        return nil, err
    }
    return task, nil
}
Enter fullscreen mode Exit fullscreen mode

Discussion (0)