DEV Community

loading...
Cover image for Fanboy: aquela criança que não devia trabalhar com TI

Fanboy: aquela criança que não devia trabalhar com TI

Henrique Lobo Weissmann (Kico)
Progr(amo), logo existo. Fundador da itexto.
・5 min read

Texto escrito em 2012

Fanboys: como vivem? De onde vêm? Como se reproduzem? Como evitá-los?

Quando interajo com um fanboy a sensação de riso costuam surgir. Convenhamos: é risível, mas sabe o que acho interessante? Temos apenas uma fina camada de comicidade ocultando uma realidade trágica. O nome deste padrão se chama pateticidade, e acredito que possa ser aplicado sem problemas a qualquer fanboy.

Antes de começar, vou primeiro definir o que chamo de fanboy.

É aquele que se apega a determinado objeto de consumo ou tecnologia apaixonadamente, e o defende cegamente de qualquer crítica muitas vezes ignorando as próprias limitações da coisa.

A palavra boy não está embutida em fanboy por acaso: imaturidade está na essencia destas criaturas. E neste momento eu me pergunto: por que este apego todo? Simples insegurança?

Vejo o fanboy como um ser infantilizado, irracional e inseguro que se apega a algum bem de consumo ou tecnologia e o defende cegamente sem perceber o mal que faz a si próprio. Resumindo: é um tolo.

Convenhamos: todos nós passamos por este estado de vez em quando. É natural quando descobrimos algo que achamos ser o máximo e nos empolgamos com isto. O sentimento de decepção é sempre muito triste: o problema do fanboy consiste na sua incapacidade de lidar com esta sensação.

(é aquela mesma sensação que as crianças sentem ao perceberem que seus pais não são perfeitos)

E sabe o que é pior? Estes caras transformam a TI em um inferno.

Por que estas crianças não deveriam brincar de TI

O "logia" de "tecnologia" vêm de logos, que em grego significa basicamente racionalidade. Trabalho racional não deve em hipótese alguma permitir a entrada de... adivinha! Irracionalidade. Sejamos pragmáticos: (fan)atismo não funciona nesta área.

Uma coisa é ser apaixonado pelo próprio ofício (eu sou). Outra completamente diferente é ser incapaz de perceber dois fatinhos muito basicos da vida adulta:

  • Não existe uma solução única para todos os problemas (a famigerada bala de prata)
  • Perfeição é uma meta inatingível (o que não quer dizer que você deva evitá-la)

É muito comum encontrarmos consultores que ao enviarem suas propostas de trabalho a um cliente normalmente incluem como única opção a substituição de sistemas legados (desenvolvidos em tecnologias diferentes do objeto de adoração) por algo inteiramente "novo, moderno, revolucionário e inovador" feito em hyperlang. A consequência é óbvia: o cliente fica maravilhado em um primeiro momento e normalmente ferrado pouco tempo depois (Joel Spoolsky tem um texto ótimo sobre isto, clique aqui). Esse pessoal é incrívelmente cretino: se esquecem de que código legado existe porque normlamente funciona (mas isto é papo para outro post).

(interessante observar que a palavra "revolucionário" também pode significar "retrocesso")

Sempre vejo alguns comportamentos típicos em um fanboy:

  • Aquele que não opta pelo seu time é visto como um pobre coitado incapaz de conseguir entender aquela "inteligência superior"
  • Raiva surge (às vezes acompanhada de choro) quando questionados
  • Maniqueismo total: não existe meio termo. Objeto de adoração, bom, objeto concorrente, mau, muito mau!
  • Possuem uma atitude típicamente arrogante-cool. São pessoas "cool", que simplesmente ignoram e tratam como infantis todos os discordantes (o bacana é que normalmente a arrogância é fruto da ignorância). "Não perca tempo discutindo... eles não sabem o que é bom..."

Como nascem estes monstrinhos?

Fantoches de corporações

Já assistiu a uma daquelas apresentações da Apple em que se o CEO arrotar a platéia aplaude? Yeap: boa parte dos fanboys são meros fantoches de corporações, que tentam criar a idéia de que seus clientes são mais inteligentes, bacanas, fodásticos e tudo mais.

Claro, os fanáticos retribuem com suas oferendas verdes a estas empresas crentes de que estão sendo tratados com respeito e como seres superiores que acreditam ser.

O desejo de ser como Fulaninho Cool

As pessoas são carentes. Muitas vezes ao escolhermos um modelo e não possuirmos uma boa auto estima acabamos por segui-los cegamente. "Se fulano programa em Kronks, e ele é tão bacana, é lógico que este é O único caminho a ser seguido".

Simples incompetência

Não raro o fanboy defende cegamente sua ferramenta de trabalho porque só sabe obter o resultado X (por exemplo, desenvolver pra web) com ela, que foi a única que conseguiu aprender a usar. "Não consigo fazer X com nada que não seja Y. Logo, tudo o que não é Y fede!"

Como morre um fanboy?

A única maneira de aniquilar a praga é torcendo para que ele cresça. O amadurecimento fica nítido quando percebemos que quando o nosso objeto de adoração sai de cena isto normalmente ocorre não porque existe uma corporação cruel que a destruiu por pura maldade mas sim porque uma alternativa mais eficiente entrou em seu lugar.

Há casos em que nosso objeto de idolatria se torna obsoleto devido a crueldade dos concorrentes? Claro, mas olhando friamente fica nítido que são situações raríssimas. Convém lembrar que é preciso mais que um ataque corporativo nuclear para destruir algo: é necessário o mercado atuar.

Os que não amadurecem, bem: Darwin os executa. Terminam extintos porque não conseguiram se adaptar.

Agora, sabe qual a grande sacanagem? É que normalmente quem paga pela imbecilidade dos fanáticos é quem não tem nada a ver com isto: o cliente.

Discussion (0)